Crianças são as que mais sofrem com o vírus H1N1

Trabalhador, seja consciente não se deixe escravisar!
5 de março de 2018
Você quer ganhar R$ 60,00 a mais todo mês em seu Contracheque ?
8 de maio de 2018

Crianças são as que mais sofrem com o vírus H1N1

 

A influenza A é causada pelo vírus H1N1, é um súbito do influenzavirus do tipo A. O influenza vírus do tipo A é consequência da combinação de segmentos genéticos do vírus da gripe do ser humano com o vírus da gripe aviária e suína, que infectaram porcos em conjunto. O processo de incubação dura em média de 3 a 5 dias, porém a transmissão ocorre antes dos sintomas aparecerem. A transmissão do vírus se dá pelo contato direto com animais, pessoas ou objetos contaminados, por via aérea ou por meio de partículas de saliva e de secreções das vias respiratórias.

Sintomas

Os sintomas da gripe H1N1 são semelhantes aos da gripe comum. Ainda assim, requer cuidados especiais para as pessoas que apresentarem febre alta, acima de 38, 39, de início repentino, dor de cabeça, de garganta e nas articulações, irritação nos olhos, coriza, tosse, cansaço e falta de apetite. E até mesmo vômitos e diarreia.

Para obter diagnóstico há testes rápidos de laboratório que revelam se a pessoa foi infectada por algum vírus da gripe. Porém quando se refere à H1N1 o resultado pode demorar mais tempo.

Vacina

A vacina contra a influenza A é feita com o próprio vírus da gripe, porém inativo e fracionário. Há alguns efeitos colaterais, mas eles são insignificantes se pensar pelos benefícios que trazem. Existem duas vacinas que protegem contra essa infecção; a trivalente que imuniza contra dois vírus da influenza A e contra uma cepa do vírus da influenza B, e a vacina tetravalente ou quadrivalente, que além desses vírus imuniza contra uma segunda cepa da influenza B. Entretanto essa só deve ser usada em crianças a partir dos 3 anos de idade.

Esses dois tipos de vacinas são eficazes, mas geralmente levam de duas a três semanas para fazer efeito. Existe algumas minorias específicas de pessoas que tem prioridade a receber essas vacinas na rede pública, são gestantes, pessoas com doenças crônicas (não transmissíveis), idosos acima de 60 anos, imunossuprimidos e transplantados, crianças entre 6 meses e cinco anos, profissionais da saúde, população indígena e presidiários. Ela é contraindicada para pessoas alérgicas a ovos, porque pode conter ovoalbulimina, uma proteína do ovo que é responsável por reações alérgicas.

 

Crianças e o vírus

Por estarem com  sistema imunológico em formação as crianças são as que mais sofrem e correm risco com essa doença. Desse modo os pais ou responsáveis precisam tomar bastante cuidado, e prevenir mais as crianças. O primeiro passo para os cuidados necessários é a vacinação. A vacina é permitida a partir dos seis meses de idade do bebê. A vacina indicada para esses casos é a de quadrivalência.

 

FALE NO WHATS!

(62) 99802-9909